Itaguaí estará em suas mãos em 2016 - por Rodrigo Garcia

Os mais de cinco mil municípios brasileiros estão se preparando para o  período eleitoral que antecede e prepara a escolha dos futuros pre...

Os mais de cinco mil municípios brasileiros estão se preparando para o  período eleitoral que antecede e prepara a escolha dos futuros prefeitos e vereadores. E em breve será o  momento para que os cidadãos de Itaguaí, conheça os projetos e as propostas que os vários candidatos defendem como alternativas para organizar a vida pública do município. E o momento em que cada eleitor é convocado a exercer a cidadania pelo voto esta chegando. Afinal, voto é direito, é poder, é exercício de cidadania.

Nas eleições municipais está em jogo a criação de condições para que a cidadania possa dizer o que quer e como quer organizar o município, o mais próximo espaço coletivo de convivência e de exercício da cidadania. Não se trata apenas de escolher este ou aquele candidato a prefeito, este ou aquele candidato a vereador. Trata-se de escolher prefeito e vereadores que efetivamente demonstrem respeito à cidadania e compromisso com a implementação de políticas públicas que venham para atender às necessidades da população.

A escolha de cada eleitor precisa ser livre e cidadã. Para isso, é necessário basear o voto em convicções e em argumentos. Não basta votar por qualquer motivo. É preciso que cada eleitor tenha bons motivos para votar. Receber algum favor pessoal, promessas vazias ou de boa vontade, o bueiro na frente de casa, a dentadura, um jogo de camisetas para o time, uns metros de brita ou areia, alguns tijolos e até dinheiro não são, definitivamente, bons motivos para votar. Aliás, são motivos muito ruins. São exatamente motivos para não votar em candidato que os apresentar ou propuser. Votar dessa forma é deixar de ser livre e fazer do voto um produto de compra e venda.

Assim como no ato da compra de um sapato, por exemplo, este objeto deixa de ser da loja e passa a ser do comprador, se o voto for vendido, o poder de escolher e de dizer sempre o que o eleitor quer para seu município fica prejudicado. Vender voto é vender poder. É vender a possibilidade de discutir, de concordar e de discordar com tudo aquilo que vier a ser feito por quem for eleito. De outro lado, comprar o voto dos eleitores é demonstração clara de desrespeito com a cidadania, de falta de compromisso com a comunidade, de que o candidato só quer representar seus próprios interesses, quando não interesses de grupos que o seu candidato participa , vote certo e não  venda seu voto.

por Rodrigo Garcia 

Postar um comentário

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item