Protesto de moradores na Ilha da Madeira

Nesta terça-feira, dia 24 de novembro de 2009, os moradores da localidade da Vila, na Ilha da Madeira, fizeram um protesto fechando a entrad...

Nesta terça-feira, dia 24 de novembro de 2009, os moradores da localidade da Vila, na Ilha da Madeira, fizeram um protesto fechando a entrada da Ilha da Madeira.

O protesto aconteceu devido a uma explosão realizada na Pedreira que fica ao lado da Vila. Segundo relatos, uma explosão realizada na segunda-feira, jogou pedras enormes sobre as casas e quintais vizinhos, derrubando muros e quebrando árvores.

Esse tipo de "acidente" tem se tornado comum desde o início da construção do Porto Sudeste (LLX), que também é proprietário da Pedreira (leia-se Eike Batista - Senhor X).

Segundo relatos, houve agressão física por parte da Polícia em alguns moradores mostrando o desrespeito em relação aos moradores da região. Alguns vereadores de Itaguaí compareceram e segundo relatos, ficaram do lado dos moradores.

Em breve o Blog vai publicar um texto sobre um dos impactos que tais investimentos na Ilha da Madeira estão fazendo.

Isso é progresso?

Postar um comentário

  1. O interesse econômico atropelando os interesses do povo.

    ResponderExcluir
  2. Na reunião da Comissão do Meio Ambiente da Câmara Municipal de Itaguaí realizada hoje foi proposta uma CPI para a Pedreira Sepetiba em virtude destes problemas que vem ocorrendo na Ilha da Madeira, na sessão de amanhã será votada o pedido desta CPI.

    ResponderExcluir
  3. Deu no RJTV desta quinta-feira, 26 de novembro de 2009:

    Pedreira em Itaguaí causa transtornos para moradores de casas próximas.
    A última implosão foi na segunda-feira (23) e os moradores ficaram assustados. Várias pedras foram parar nas ruas e dentro das casas.

    Os moradores do bairro Ilha da Madeira, em Itaguaí, entraram em contato com o RJ Móvel para reclamar de uma pedreira, que deverá ser transformada em um porto para escoamento de minério de ferro.

    A última implosão no lugar foi na segunda-feira (23). Os moradores recolheram muitas pedras que caíram próximo às casas – a maior delas pesaria mais de 30 quilos. Bem próximo da pedreira, há também um colégio municipal e o receio é que as crianças possam ser atingidas.

    A placa no terreno da pedreira informa que o lugar é uma área de risco. Segundo os moradores, na segunda-feira (23) foi realizada uma implosão e, em poucos minutos, eles recolheram uma grande quantidade de pedras que caiu na rua mais próxima à pedreira.

    “Uma pedra que veio lá de cima fez uma cratera. Eles aumentaram o poder de fogo em cima da pedreira. Há famílias aqui”, reclama um morador.

    Há dois anos uma pedra atingiu a casa de uma das moradoras. “Amassou meu fogão, destruiu o telhado, atingiu minha porta, justamente onde minha filha fica brincando. Agora uma sirene toca e ela entra em desespero, começa a chorar com medo”, diz ela.

    Um problema muito comum no bairro são as rachaduras. “Com a implosão de segunda-feira, essa rachadura aumentou mais”, mostra Dona Iracema.

    O Instituto Estadual do Ambiente informou que a empresa responsável pela implosão tem licença ambiental para atuar. O Inea disse ainda que vai enviar um técnico para avaliar a situação. Se for constatada alguma irregularidade, a empresa pode ser multada.

    Já a empresa informou por meio de nota que se reuniu com os moradores na segunda-feira (23) e vai fazer um relatório. As implosões estão suspensas até a conclusão desse relatório.

    Muitos moradores também reclamam de problemas respiratórios causados pela pedreira. “Minha filha apresenta bronquite e rinite alérgica por causa dessa poeira, que é insuportável. Na segunda-feira, da minha rua não se enxergava nada”, queixa-se Letícia.

    ResponderExcluir
  4. "Um homem valente não é um homem sem medo; é aquele que não se deixa paralizar por sua insegurança, e segue em frente." (Paulo Coelho)

    ResponderExcluir
  5. criacionista: Meus amigos temos que entender que o dona da llx elegeu vários politicos na região e alem do mais o dono do INEA da o maior apóio a ele, pois ao ser consultado o INEA so disse que a pedreira tem licença ambiental, como se so esta explicão bastase.
    Tomará que os evangelicos tenham rasaõ e estes caras vão tudo para o inferno.

    ResponderExcluir
  6. Sugiro procurar o Ministério Público Estadual - Defesa da Cidadania e entrar com denúncia relatando o ocorrido.

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item