A sofrida ilha da perseguição

Moradores da Ilha da Madeira denunciam pressão para abandonar suas casas Adversidades enfrentadas pelos moradores da Ilha da Madeira n...





Moradores da Ilha da Madeira denunciam pressão para abandonar suas casas

Adversidades enfrentadas pelos moradores da Ilha da Madeira nos últimos tempos têm trazido revolta e mal-estar aos que residem na localidade há décadas. Explosões da Pedreira Sepetiba Ltda, adquirida pela LLX no início do ano, causam tormento a vizinhança. Na segunda-feira (23), as detonações levaram os moradores ao auge da indignação. Uma verdadeira chuva de pedras com até 80 kg, lançadas da pedreira, atingiram diversas casas. Revoltados, os moradores se manifestaram em frente à empresa exigindo soluções imediatas. “Isso que eles estão fazendo é terror psicológico pra gente sair daqui logo!”, denunciou o morador João Ferreira Lima, de 40 anos.

Segundo os moradores, a empresa está pressionando a população, de forma grosseira, a aceitar suas condições e deixar o local. “Eles estão fazendo isso para forçar a gente a sair daqui, já que não queremos aceirar a mixaria que eles nos ofereceram”, revelou a aposentada Iracema Oliveira dos Santos, de 71 anos. Os moradores contam que as explosões ecoam como um terremoto dentro de casa. “Sempre que isso estoura minha casa estremece. Pego meus documentos e saio correndo com medo de ela desabar”, contou a moradora Leda Claro Oliveira Cruz, de 67 anos.

Ainda segundo os moradores as constantes explosões e o desmatamento estão assustando os animais silvestres que se refugiam dentro de suas casas. “Animais que vivem no alto da ilha, hoje você encontra nos nossos quintais, assustados e machucados. Sem falar que alguns moradores estão sem água potável há um mês”, revelou a Elisângela de Almeida. “Se hoje a ilha é o lugar mais valorizado do país, porque estão querendo pagar uma miséria pelas nossas casas? É uma falta de respeito”, concluiu a moradora.

Moradores fecham acesso em protesto

Indignados com a direção da Pedreira Sepetiba, que não se pronunciou depois da chuva de pedras, os moradores fecharam, na manhã de terça-feira (24), a única estrada que dá acesso ao bairro, impedindo a passagem de caminhões e dos funcionários da empresa que chegavam para o trabalho. A manifestação foi contida com a chegada de homens da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. Após negociação com os manifestantes, os bombeiros apagaram o fogo ateado em pedaços de madeiras e pneus. Por volta das 9h, a via foi liberada ao tráfego. Durante a manifestação, o vereador Toni Coelho informou que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Pesca iria interditar a empresa.

O pescador Luciano de Souza contou que foi agredido com uma coronhada por um PM. “Ele foi covarde. Nossa manifestação é pacífica. Vamos à delegacia registrar a agressão. Estão usando cabos de picaretas para ameaçar a agente”, protestou.

PM vai apurar se houve excesso

Após ver as fotos registradas pela equipe do ATUAL, o capitão PM Jean Dantas informou que o caso foi isolado e não houve confronto direto com os manifestantes. Sobre os cabos de picaretas usados pelos policiais, o oficial disse que vai apurar de onde partiu a ordem. “Vou conversar com o policial acusado de agressão e se possível transferi-lo para outro destacamento. Os porretes que estavam com alguns policiais serão recolhidos”, ressaltou.

Autoridades se movimentam a favor

O presidente da Câmara Municipal, Vicente Rocha, classificou o caso como falta de respeito aos moradores. “Eles estão fazendo as explosões sem horários. Vamos conversar com os responsáveis para que haja um entendimento entre as partes”, disse.

O morador Peterson Castilho Feijó, disse que uma pedra caiu a 10 metros do quarto onde sua filha de nove meses dormia. “Ontem foi o dobro de pedra que caiu. Foi Deus que salvou a minha filha e não deixou cair nenhuma pedra na escola, senão o estrago seria maior”, desabafou.

Após a manifestação, os moradores se reuniram na quadra poliesportiva e decidiram formar uma comissão para se reunir com os representantes da Pedreira Sepetiba. Representante da empresa, João Luiz garantiu que já estão sendo apuradas as causas do acidente. Segundo ele, a empresa tomou a iniciativa de paralisar as detonações até que a apuração seja concluída. “Vamos nos reunir com a comissão de moradores para atender as demandas exigidas pela comunidade. Não estamos medindo esforços para avaliar o ocorrido e mostrar a comunidade todo o nosso projeto”.

POVO FALA

João Ferreira Lima, de 40 anos

“Na minha casa caiu uma pedra enorme. Graças a Deus não machucou ninguém, mas poderia ter matado alguém. Dessa vez passou dos limites, tem pedra de até 80kg. Eles aumentarão essas explosões para ameaçar os moradores a vender suas casas mais rápido”.

Iracema Oliveira dos Santos, de 71 anos

“É um absurdo o que estão fazendo com a gente. Estão querendo tirar a gente daqui como cachorro. Eles querem pagar uma mixaria pra gente sair daqui, estão desvalorizando o lugar. Isso não é justo, moramos aqui há muitos anos, amamos esse lugar”.

Leda Claro de Oliveira da Cruz, de 67 anos

“O que eles estão fazendo com a gente é terror psicológico. Acontece toda semana, mas dessa vez foi pior. Alguma coisa tem que ser feita, eles não podem continuar com isso”

A minha casa está toda cheia de rachaduras por causa dessas explosões. Eles só tapeiam, nunca pagam os nossos prejuízos”.

Conceição da Silva Rocha, de 47 anos

“Quando explode parece um terremoto dentro de casa. Eles são muito covardes, precisam respeitar o tempo de a gente sair. Nós vamos sair, mas eles tem que esperar a gente procurar casa, não podem fazer essa pressão toda. Isso é maldade”

Sebastião Gomes dos Santos, de 70 anos

“Parecia até chuva de meteoro. Eles estão fazendo isso para amedrontar a agente, para a gente ir embora logo. Não tem ninguém pra defender a gente. Nas reuniões eles prometeram que seríamos realocados e indenizados. Agora dizem que só vão realocar. Já que perdemos tudo mesmo, indeniza logo a gente poxa!”

LLX se reúne com moradores

Na tarde de quarta-feira (25), a empresa LLX realizou uma reunião com uma comissão formada por dez moradores, para ouvir suas reivindicações e buscar soluções para o caso. No encontro todos foram ouvidos e ficou decidido que os responsáveis pela empresa vão continuar investigando as causas do incidente ocorrido durante a operação da pedreira, na última segunda-feira (23). A previsão é que o resultado deste processo seja concluído em até 30 dias. Os moradores decidiram esperar a próxima reunião que será marcada na semana que vem. A empresa já foi interditada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e está impedida de realizar qualquer operação por tempo indeterminado.

LLX responde

Em nota enviada por e-mail ao ATUAL, a assessoria de comunicação da LLX respondeu aos questionamentos da população. Sobre a frequência das explosões, a empresa diz que o cronograma de operação da pedreira já previa um aumento nas atividades, com autorização das autoridades. E que as operações realizadas pela pedreira são devidamente autorizadas, seguindo todas as normas técnicas e rigorosos procedimentos de segurança antes e durante as detonações.

Na questão da pressão psicológica, onde os moradores se sentem pressionados a aceitarem o acordo de desapropriação, ela informou que não há ligação entre as operações da pedreira e o processo de relocação. Sobre a reclamação de que as explosões causam verdadeiros terremotos dentro de casa, eles alegaram que a empresa realiza monitoramento do nível de ruído e trepidação emitido nas detonações, sendo os níveis inferiores ao permitido pela legislação vigente.

Na questão do desmatamento próximo ao posto de saúde local, que acarreta na entrada de animais como gambás e cobras dentro das casas, eles disseram que a empresa possui um programa de resgate de fauna implantado no local e eventualmente alguns animais podem ser encontrados.

Sobre o baixo valor de mercado oferecido para desapropriação das casas, a empresa respondeu que os valores definidos estão de acordo com os critérios e métodos definidos pelas NBR-14.653, parte 1 e 2 da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, procedimentos gerais e avaliação de imóveis urbanos, respectivamente com validade a partir de 30/05/2001 e 30/06/2004.

Jornal Atual, 27 de Novembro de 2009.

Postar um comentário

  1. "Para milhões e milhões de seres humanos o verdadeiro inferno é a Terra." (Arthur Schopenhauer)

    ResponderExcluir
  2. Perdemos a Ilha da Madeira para grandes empresas. Vamos receber o quê em troca?

    O Progresso é para quê, e para quem??

    Onde estão os repreentantes do povo, eleitos pelo povo para nos defenderem ?

    ResponderExcluir
  3. acho um abuso de poder dessa empresa , alo veriadores, autoridades , vamosfazer jus aos seus cargos e salarios.

    ResponderExcluir
  4. O que falar do apoio da LLX a um vereador oriundo da Ilha da Madeira!!!!

    ResponderExcluir
  5. Se dependesse dos vereadores, teríamos hoje em Itaguaí, um termoelétrica à carvão.Lembram?

    ResponderExcluir
  6. Tenho conversado com muitos moradores da Ilha da Madeira e o pude entender dessa negociação é que a empresa esta se aproveitando da falta de conhecimento da maioria dos moradores para chantageá-lo com ameaças de que terão que sai de qualquer jeito. A empresa, além da pressão que vem fazendo, esta impondo aos moradores a procurem casa em outro lugar, nas condições estabelecidas por ela. Não sei se houve e se houve, qual foi o acordo que essa empresa fez com o governo e os vereadores, mas diante da inércia dos mesmos frente a expulsão de tantas famílias chego a pensar que foi um acordo muito bom, se não o prefeito já teria disponibilizado uma assistência jurídica àquela comunidade e os vereadores já teriam dado apoio irrestrito aos moradores, não apenas declarações na imprensa, como bem sabem fazer, alguém precisa dizer aqueles moradores que a empresa quer comprar o que eles não querem vender, por isso quem tem que impor condições são eles, não a empresa.

    ResponderExcluir
  7. Por quê em assuntos polêmicos, e que colocam a população numa situação como esta, não vemos nenhuma manifestação do Prefeito Charlinho, e dos vereadores mais ligados à ele: Tony, Jorginho, Kifer, Abelardinho e Beta da Reta. Desculpem, mas eles tiram o deles de "Reta"...

    ResponderExcluir
  8. Meu comentário sobre essa situação enfrentada pelos moradores do pedaço da Ilha da Madeira, conhecido como Vila do Engenho, será feito por meio de artigo.

    Vou apresentar o impacto social sobre a vida das crianças e jovens do local, em virtude de serem obrigados a saírem de suas casas.

    Será a visão de um educador...

    ResponderExcluir
  9. 'ILHA DA MADEIRA ESPERANÇA"
    AJUDE A UM MORADOR DA ILHA DA MADEIRA COM UMA MUDA DE ROUPA OU MELHOR DE CASA.KKKKKKK CONTA OUTRA LLX QUE ESSA PIADA JÁ É ANTIGA.
    È meu povo madeirano,sou nascida e criada na ilha da madeira,não presenciei a negociação e a retirada do povo da Ilha da Madeira lá de trás da ingá a antiga vila do Engenho a muitos e muitos anos atrás, por que não era nascida, mas quem não cansa de ouvi essa velha estória que mas parece até a estorinha do lobo mal e chapeuzinho vermelho, porque até nossas crianças já nascem sabendo.
    E agora a estória volta a se repetir e a cada vez mais violenta.
    Eu moro próximo ao ponto final do ônibus e o que eu fico mais triste e só de saber que um lugar tão pequenino com uma população tão minuscula e capaz de ser tão desunida e ter coragem de dividir a ilha da madeira em: o povo da vila do engenho e o povo da praia .
    que vergonha!
    poucos são aqueles que se unem e nós daqui de dentro da ilha o tão conhecido como saco de dentro não somos nada sem o povo unido do começo da ilha que é a vila.
    Eu não lembro nem mais da cara do nosso prefeito e de nossos vereadores e de que lado eles estão entre essa gerra LLX e o povo da ILHA DA MADEIRA?
    porque a escola e alguns moradores prejudicados com a explosão da pedrera,aproveitando a presença do Rj móvel não botaram pra quebrar?
    Será que eles foram comprados?
    Porque o povo do saco de dentro não correram todos para ajudar no protesto?
    vocês grandes e poderosos se aproveitam de pequenos e valentes iludindo-os com promessas de casas,que se nóis aqui não saissemos rápido os danos que podem causar a saúde e o que pode restar do futuros deles.toma seu pirulito sua balinha e vai,vai,vai...
    acorda madeiranos vamos se unir e bota pra fora essa corja de gente podres.somos pequenos mais somos valente.nós lutamos até aqui pra que pra nada?
    com nossos berros a termoelétrica a carvão que ia ser implantada em itaguaí já se foi e agora é sua vez LLX FORA DA ILHA DA MADEIRA PORQUE ELA ÉDENÓS MORADORES.

    ResponderExcluir
  10. Não precisamos de fita gravada para saber como foi feita essa negociação(LLX e ????????????); foi do mesmo jeito com a usina termoelétrica à carvão.

    Preciso falar mais alguma coisa?

    Ah!conte os pontos de interrogações...

    ResponderExcluir
  11. E FACIL A ILHA SO TEM UMA ENTRADA.

    ResponderExcluir
  12. POVOS DA ILHA, SE ITAGUAÍ NÃO TIVESSEM CORRUPTOS,
    NÃO TINHA ESSES ABORRECIMENTOS PRA VOCÉS.
    AÍ PROVA O QUANTO VOCES SÃO BÓBOS.
    EM EPOCA DE ELEIÇÕES, ESTÃO TODOS AQUI DANDO TAPINHAS NAS SUAS
    COSTA, ATE BEIJINHOS, E AI VOÇES FICAM TODOS SATISFEITOS, TODOS
    ALEGRES SO QUE DEPOIS VOÇES VÉ QUE FOI NOVAMENTE TRAIDO
    PELOS OS MESMOS POLITICOS.

    ResponderExcluir
  13. VOÇES JÁ LEÚ O QUE ESSA NEUCI ESCREVEU?
    NÃO PRECISOU DE FITA GRAVADA, MAIS, PRECISOU DE
    UM CHEQUE MUITO GORDO NAS CONTAS DOS VEREADORES.
    OU ESTOU MENTINDO. OU ESSAS INTERROGAÇÕES ESTÃO
    AÍ ATÔA. E SO VOÇES USAR UM PÓUCO AMENTE...

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item