Vamos debater as UPPs - Unidade de Polícia Pacificadora

"A UPP é o caminho, uma visão nova de polícia, na qual o policial entra em uma favela já pacificada. Antes estas regiões eram dominadas...

"A UPP é o caminho, uma visão nova de polícia, na qual o policial entra em uma favela já pacificada. Antes estas regiões eram dominadas pelo poder paralelo", disse o governador Sérgio Cabral na cerimônia de formatura, quando prometeu triplicar o salários dos policiais até a Olimpíada de 2016. De acordo com o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, a UPP do Morro da Providência será inaugurada segunda-feira e, logo após, o Bope e o BPChoque iniciam as operações para instalação da próxima unidade, em local ainda não divulgado.

Em março, em palestra no Fórum Urbano Mundial, o secretário executivo municipal do Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci), Ricardo Rotemberg, revelou que o objetivo das UPPS seria formar um "cinturão de segurança" para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016. Ele informou que as favelas escolhidas seriam Cerro Corá (zona sul), situada nos acessos ao Cristo Redentor, Parque Alegria, no Caju, próximo ao porto do Rio, as três favelas que cercam o bairro de Santa Teresa (Centro), o Complexo do São Carlos, na Cidade Nova, cujo acesso fica a poucos metros do Centro Administrativo da Prefeitura da cidade, o Morro da Mangueira, nas proximidades do Maracanã e todas as favelas da Grande Tijuca. Dias depois, o governador do Rio, Sérgio Cabral Filho confirmou os nomes, mas ressaltou que não seria possível ocupar todas as favelas este ano.

Formação

O uso de soldados recém-formados nas UPPs visa evitar os casos de corrupção pelo tráfico. No entanto, em março, o soldado da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) nos morros Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, Leonardo da Cruz Cortez, de 27 anos, foi preso com três comparsas após tentar roubar um caixa eletrônico em uma agência bancária, no bairro do Ingá, em Niterói, região metropolitana. Dois dias depois, dois soldados lotados na mesma UPP foram presos quando cobravam uma dívida armados em Campo Grande, na zona oeste. Eles foram autuados por formação de quadrilha, invasão de domicílio e porte ilegal de arma. Especialistas criticam o pouco tempo na formação dos novos soldados.

(Pedro Dantas - AE)
http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia.phl?editoria=34&id=286305

Postar um comentário

  1. O Sérgio Cabral está pensando que a criação das UPPs vai acabar com a violência em todo o Estado do RJ?

    Será que o Cabral foi eleito para governar só o Município deo Rio de Janeiro? Acho que ele foi eleito para ser Governador do Estado do RJ.

    Não posso deixar de parabenizá-lo pelas UPPs mas tenho que deixar registrado que Itaguaí e outros município vizinhos ao Rio de Janeiro (município senhor Cabral), estão recebendo de presente os bandidos, traficantes, asssaltantes e tudo mais de ruim, que estão sendo expulsos das favelas ocupadas.

    Lamentável limpar o Rio de Janeiro para a Copa e as Olimpíadas e destruir a segurança dos municípios vizinhos.

    Os políticos de Itaguaí devem ficar atentos a isso tudo pois a cidade de Itaguai tem grandes chances de virar um dos municípios mais violentos do RJ (Estado senhor Cabral, o qual você é o administrador).

    ResponderExcluir
  2. Moradores de comunidades onde foram instaladas as UPPs, relatam que quem tem mais segurança hoje, são: os próprios traficantes, pois as comunidade não são mais invadidas por facções rivais, logo, os traficantes da comunidade, podem "trabalhar" tranqüilamente, com a segurança do Estado.

    HIPOCRISIA PURA!!!!

    ResponderExcluir
  3. O que fez Cabral até agora?
    Ele não merece ser reeleito.

    ResponderExcluir
  4. A UPP é uma estratégia de marketing eleitoral, q já está fazendo água, como mostram os casos recentes envolvendo policiais lotados em UPPs, e não durará até as eleições. Pessoa ligada ao governo já afirmou, publicamente, q a idéia é, até 2016, formar um "cinturão de segurança" em torno da Zona Sul, implantando UPPs na ZS, parte da Tijuca e Centro. E o resto do Estado q abrigue os bandidos!Basta ver q a chegada da UPP não tem gerado prisões ou apreensões significativas.

    ResponderExcluir
  5. À uns 30 dias atrás foi feito uma apreensão de mais 1 tonelada de maconha; maconha essa, que abasteceria os morros ocupados pelas UPPs.Como assim!?!?!?!?!?

    Os traficantes continuam lá, vendendo a vontade, sendo que agora com a segurança do Estado, bancado por nós.

    BRASIL UM PAÍS DE TOLOS!

    Ah!, Cabral é o candidato da Dilma!

    ResponderExcluir
  6. Guerra
    Força-tarefa será criada para combater união de facções contra UPPs

    Publicada em 20/04/2010
    Antônio Werneck

    RIO - A polícia planeja estruturar uma força-tarefa para combater a união das duas principais facções criminosas do Rio, que no último sábado teriam selado um acordo de paz e não agressão para enfrentar o bem-sucedido projeto das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) nas favelas. O objetivo é montar uma equipe exclusiva de agentes para acompanhar e prender os principais traficantes do estado. O novo grupo atuaria nos mesmos moldes do que combateu, com sucesso, a milícia da Zona Oeste.

    Como O GLOBO noticiou, traficantes de pelo menos 45 grandes favelas teriam se encontrado na Favela da Grota, no Complexo do Alemão. Estiveram presentes Anderson Rosa Mendonça, o Coelho, chefe do Complexo do São Carlos; Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, da Rocinha; e Luciano Martiniano da Silva, o Pezão, e Fabiano Atanásio da Silva, o FB, ambos do Complexo do Alemão.

    Beltrame: estado tem o poder de impor sua vontade

    A informação de que os bandidos pretendiam se unir para enfrentar a polícia já era de conhecimento da cúpula da Segurança Pública. O coordenador das UPPs, coronel José vieira Carvalho Júnior, acredita que uma possível união entre as facções do Rio não traz riscos para o projeto do governo.

    - Temos recebido informações sobre essa eventual união há muito tempo, mas não acredito que ela seja possível - avaliou Carvalho, que participou ontem da formatura dos novos policiais militares.

    O secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, disse que não há motivos para temores:

    - O Estado tem o poder de polícia e a força para impor a sua vontade. O projeto da UPP está feito, estabelecido.

    O sociólogo Ignácio Cano, coordenador do Laboratório de Análises da Violência da Uerj, acha que, se a união se confirmar, pode ter um efeito contrário ao esperado pelo tráfico.

    - Na história da criminalidade do Rio, a ação da policia acaba acirrando a guerra das facções. Uma sempre tentou aproveitar o vácuo deixado após operações da polícia contra a outra. A união para enfrentar o avanço das UPPs pode acabar provocando a queda nos índices de violência. Em São Paulo, onde há apenas uma facção, os índices estão caindo - disse.

    Desde sábado, quando a intenção das facções foi difundida pelos setores de inteligência do estado, os policiais entraram em alerta, passando a monitorar a movimentação das quadrilhas. Preocupados, os policiais garantem que é prematuro fazer agora qualquer diagnóstico da situação. As consequências do acordo só poderão ser dimensionadas nos próximos dias.

    ResponderExcluir
  7. UPP (Unidade de Polícia Propagandista).

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item