Dilma: a esquerda chega ao poder

Para o deputado Arlindo Chinaglia, a nova presidenta é a primeira representante de esquerda de fato a chegar ao poder no país. A dimensão di...

Para o deputado Arlindo Chinaglia, a nova presidenta é a primeira representante de esquerda de fato a chegar ao poder no país. A dimensão disso na condução do país, porém, dependerá do peso que terão as forças mais conservadoras num governo de coalizão

O deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) disse que só um momento o emocionou de fato no discurso de posse da presidenta Dilma Rousseff: a menção que ela fez à memória daqueles que tombaram na luta contra a ditadura militar. No coquetel oferecido para convidados no Itamaraty na noite de sábado, após as solenidades da posse, Chinaglia repetia que era a primeira vez, desde a derrubada da ditadura e a redemocratização do país, que um chefe de Estado homenageou em discurso aqueles que morreram no combate ao regime de arbítrio dos militares. Mais do que isso, Dilma demonstrou todo seu orgulho de ter participado da geração que pegou em armas contra ditadura, seja pelas palavras no seu discurso, seja por gestos, como o convite que fez às suas 17 companheiras de cela no período em que ficou presa em são Paulo no Departamento de Ordem Política e social (Dops) em São Paulo.

- É a primeira vez que se dá o devido valor à importância que essa resistência à ditadura teve - comentava Chinaglia.

No discurso de Dilma, na presença das senhoras que estiveram presas com ela, Chinaglia enxergava a chegada ao poder, pela primeira vez, de uma representante de fato do que se convencionou chamar de esquerda: o grupo de pessoas que acreditou numa saída revolucionária, socialista, para o mundo. Gente como o próprio Chinaglia.

Rudolfo Lago
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticia.asp?cod_publicacao=35731&cod_canal=21

Postar um comentário

  1. "a nova presidenta é a primeira representante de esquerda de fato a chegar ao poder no país".

    E Lula, foi o quê?

    ResponderExcluir
  2. nerci, vc está certo. Para a mula não empacar e continuar a prestar um bom serviço, seu dono anda na sua frente mostrando-lhe uma espiga de milho. Assim também é feito com as pessoas.

    Os capitalistas de direitas pobres, que constituem a imensa maioria dessa corrente ideológica, defendem o capitalismo com unhas e dentes, sonham em um dia ocupar o lugar de seus chefes e patrões, não titubeiam para chamar os outros de ignorantes e vivem andando atrás da “espiga”. Os capitalistas ricos, que são minoria, não andam atrás da espiga, eles acenam com ela para os demais.

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item