O MARKETING E O REAL DENTRO DA POLÍTICA BRASILEIRA

O marketing político é na atualidade o principal veículo de fixação da imagem de um candidato, ao contrário do que acontecia antes do períod...

O marketing político é na atualidade o principal veículo de fixação da imagem de um candidato, ao contrário do que acontecia antes do período de exceção, quando as lideranças políticas surgiam das mobilizações sociais e das classes trabalhadoras, forjadas nas necessidades das classes menos favorecidas. Atualmente, as lideranças, em sua grande maioria, surgem inicialmente de um desejo pessoal aliada às necessidades dos setores produtivos, que precisam de “braços” políticos para lutar pelos interesses do capital, permitindo que a sociedade se sinta em situação de orfandade.

O marketing político é um conjunto de técnicas e procedimentos com o objetivo de avaliar, por pesquisas, as necessidades dos eleitores, criando, a partir das respostas, candidatos com o perfil adequado para serem lançados na “fogueira da aceitação popular”. O objetivo à principio é alcançar o maior número de adeptos possíveis a um ou mais nomes, que cumprirão o papel de divulgadores, aliando os nomes a imagens e a ações de interesses sociais, para posteriormente, com a massificação da idéia, atingir o maior número de votos possíveis, atuando de forma meticulosa para não deixar transparecer a exclusividade de promoção eleitoreira dos nomes.

A imagem pode ser a fixação de um símbolo, ligando-o à primeira vista, ao candidato. Os mais antigos devem se lembrar da campanha de Jânio Quadros para a Presidência da República, quando ele apresentou uma vassoura como símbolo do seu governo, que prometia varrer a corrupção e a desordem. Simpatizantes de Jânio andavam pelas ruas das cidades ostentando broxes com a figura de uma vassoura. Hoje, a grande maioria dos nossos políticos procura, mesmo depois do pleito eleitoral, manter seus nomes fixados na mídia, com ações populistas, de grandes obras que servem como outdoor, ou através de factóides sensacionalistas e espetáculos pirotécnicos.

A idéia hoje, não é romper com a real necessidade do marketing político como divulgador de um nome. É criar mecanismos que liguem nomes a ações de interesse de toda a sociedade, como um formulador de novas idéias de políticas públicas, com a influencia dos veículos de comunicação como divulgadores das propostas, apostando na politização da sociedade, rompendo sim com o neo-coronelismo, que se utiliza das máquinas administrativas como mecanismo de barganhas e favores visando “saltos” pessoais mais altos, induzindo os eleitores ao erro de que aquele que está no poder é capaz fazer mais e melhor, ou de eleger qualquer coisa, até mesmo um poste.
É preciso dizer não à “mercantilização” de nomes como objetos baratos, que pouco ou nada afetará o “bolso” do eleitor, como um sabonete ou uma caixa de fósforos, que podem vir a ser utilizados eventualmente. Os eleitores precisam ser conscientizados que o candidato, se eleito, torna-se um “produto” caro e pode tornar-se muito dispendiosa a sua “manutenção” por um período de quatro anos, quando poderá vir a ser substituído.

A nova história nos ofereceu a prova de que nem só do “papel” vive a informação e a comunicação de massa. A internet vem derrubando ditaduras e denunciando agentes públicos envolvidos em corrupções e fraudes. Cabe agora aos veículos de comunicação eletrônica, cumprir o papel de desenvolver, incentivar, exigir e consolidar a prática de um marketing político socialmente responsável, buscando em meio às mobilizações sociais e de classes, nomes comprometidos com as causas populares, que possam definitivamente se responsabilizar pelos destinos de um povo.

SÉRGIO PRATA

Postar um comentário

  1. Kassab procura talentos

    Com o propósito de fortalecer o partido recém fundado, o PSD (Partido Social Democrata), Gilberto Kassab, no melhor estilo dos grandes treinadores esportivos, está enviando “olheiros” para as cidades do interior e das regiões metropolitanas espalhadas pelo Brasil, visando exclusivamente investir maciçamente nas próximas eleições municipais, de 2012.
    Em Itaguaí, o polêmico Jornalista e Escritor SÉRGIO PRATA recebeu em sua casa no último Domingo, a visita, não do Coelhinho da Páscoa, mas de uma comitiva de membros da Executiva Nacional Provisória do PSD, para convidá-lo a filiar-se, formar a Executiva Municipal e candidatar-se ao Executivo Municipal daquela cidade no próximo pleito.
    Para quem não conhece, SÉRGIO PRATA adota o ousado estilo “bateu, levou”, não poupando ninguém de suas críticas, do Agente de Limpeza Pública ao General, seja situação ou oposição, sempre pautadas na preocupação quanto à conscientização da problemática social, desde o destino dado aos resíduos sólidos e líquidos urbanos até ao destino dado aos recursos públicos.
    No último pleito municipal, em 2008, quando alcançou oficialmente apenas 35 votos para o Legislativo Municipal daquela cidade, devolveu todo material de campanha recebido da coligação partidária qual participava, e como forma de protesto à ausência de oposição ao prefeito da cidade, foi para as ruas pedir votos a pé, sem correligionários e sem material de campanha.
    Com visão política voltada mais à esquerda, SÉRGIO PRATA a principio declinou ao convite, mas prometeu estudá-lo, afirmando que sua resposta definitiva será dada até o mês de agosto deste ano.
    Como disse o próprio SÉRGIO PRATA, a visita foi um verdadeiro “chocolate”!

    http://www.jornalhoje.inf.br/col1.htm

    ResponderExcluir
  2. O principal problema é que as eleições, principalmente pós-1988, passaram a ser dominadas pelo profissionalismo. Qualquer pleito, por mais singelo que seja, por exemplo: Vereador, passou a ser dominada por uma estrutura profissional.

    Um "escritório de campanha" passou a ter desde advogados, publicitários, jornalistas...", cuidando da imagem do "cliente".

    Assim, quem tem dinheiro, tem como providênciar a esrutura necessária para a campanha...no final, o candidato não se preoculpa com nada referente a logística da campanha, apenas se torna um mero produto criado pelos outros...

    Bem, é isso que eu acho em elação ao marketing político.

    Bem, em relação ao que escreveu o ilustre anônimo: Sou fichado no DEMOCRATAS desde 2001, e NUNCA fui convidado para qualquer reunião, nem do diretório municipal nem da juventude democratas.

    Se qualquer partido decente bater a minha porta em busca de idéias e opiniões, estou a disposição...

    Agora, se o partido precisa apenas de mão-de-obra gratuita ou massa de manobra nem chegue perto...

    ResponderExcluir
  3. Isto tudo é pura especulação: Realmente eu recebi em minha residência no último Domingo uma comitiva composta de membros da Executiva Nacional Provisória do PSD, juntamente com meus amigos e companheiros de oficio, os Jornalistas Ronaldo Ferraz, dos Jornais Metrô e Hoje da Baixada, Renato Schettini Knupp, dos Jornais O Parlamentar e a Cidade, e Josias Florêncio dos Jornais Opinião e Expressão.
    O convite realmente foi feito, mas eu o rejeitei a idéia no ato. Conforme eu já havia informado anteriormente, eu não sou candidato a nenhuma cadeira, seja no Legislativo ou no Executivo. Não tenho perfil para isto! É como diz a turma antiga do partidão: “eu perdi o bonde da história!” Mas eu costumo dizer que “a mosca azul, quando me picou, morreu envenenada!” E, por favor: Deixe-me continuar sendo pedra. É melhor do que ser vidraça!

    ResponderExcluir
  4. Sérgio, mas se no futuro, a cidade pecisar dos seus serviços em alguma secretaria, você aceitaria? Isso é muito importante, pois pelo menos Eu entendo que a cidade ganharia muito, pelo menos no quesito "qualidade". OK! Abraços.

    ResponderExcluir
  5. O vereador Nisan-PV está entrando com uma com proposta na sessão de terça-feira 03/05, para a prefeitura substituir o regime de contratos que mantém com os funcionários por regime de CLT onde os mesmos poderão gozar de todos os benefícios trabalhistas, inclusive aposentadoria por tempo de serviço, o que o atual sistema da prefeitura impede.

    “Com certeza traremos muito mais tranqüilidade ao servidor que presta serviço ao município até que seja marcado o concurso público já autorizado pela Câmara Municipal”, declara Nisan.

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item