Concurso Público em Itaguaí: Algo de errado nas pessoas ou na educação em Itaguaí?

Semana passada, estava na Câmara de Vereadores de Itaguaí para solicitar o espaço do plenário para o Política em Debate, quando percebi uma ...

Semana passada, estava na Câmara de Vereadores de Itaguaí para solicitar o espaço do plenário para o Política em Debate, quando percebi uma grande movimentação de pessoas. Descobri que eram pessoas aprovadas no recente Concurso para a Câmara de Vereadores de Itaguaí. De imediato fiquei feliz em saber das convocações mas logo mudei de ideia.

Segundo funcionários, poucos foram os moradores de Itaguaí aprovados no concurso. Soube de pessoas até de Petrópolis que foram aprovadas. O salário é ruim e a carga horária de 40 horas semanais. Soube que alguns perguntaram se iam receber ajuda de custo em hospedagens na cidade e com passagens. Está explícito que essas pessoas ficaram poucos dias ocupando esses cargos.

Logo lembrei das matérias em que o Prefeito dizia algo sobre 2 mil pessoas de Itaguaí desempregadas caso realizasse o Concurso para a Prefeitura de Itaguaí. Ele e nem os que são contra o Concurso estão errados. Mas algo está errado!!!!

1 - A maioria das pessoas de Itaguaí não passam por que?

a) Pois não estudam.
b) Pois não tem interesse.
c) Até querem mas não tem capacidade intelectual.
d) Alguns "políticos" não tem interesse na aprovação das pessoas de Itaguaí.

2 - Podemos atribuir a quem a culpa por esse quadro?

a) As escolas municipais?
b) As escolas estaduais?
c) As escolas particulares?
d) Aos pais?

Tenho minha opinião sobre o assunto mas gostaria de abrir esse debate e quem sabe não conseguiremos fazer um diagnóstico juntos e encontrar uma solução. É claro que tem "gente" torcendo para não mudar nada mas nós podemos tentar.

"Numa conjuntura de desemprego, fome e miséria é que os "poderosos" mantem o controle sobre as mentes." (Bastos, Fabiano)

Postar um comentário

  1. Logo lembrei das matérias em que o Prefeito dizia algo sobre 2 mil pessoas de Itaguaí desempregadas caso realizasse o Concurso para a Prefeitura de Itaguaí. Ele e nem os que são contra o Concurso estão errados. Mas algo está errado!!!!

    Minha resposta, Prof. Fabiano:
    O prefeito, bem como que não quer o concurso estão errados. Esse tipo de medida populista é que vem deixando a população refem desta situação a décadas. A partir do momento que tiverem a certeza de que só ingressarão no serviço público por concurso, passarão a estudar e se esforçar.

    1 - A maioria das pessoas de Itaguaí não passam por que?

    Resposta:

    Não passam simplesmente porque puxar o saca de um político no exercício do mandato para alcançar o emprego no serviço público é muito mais fácil e não exige esforço.


    2 - Podemos atribuir a quem a culpa por esse quadro?

    A quem criou esse habito de dar acesso ao serviço público aos "cabos eleitorais" sem passar pelas provas seletivas exigida por lei, ou seja pelo concurso.

    Solução: Oferecer as vagas no serviço público somente através de concurso. Pode até doer em alguns no início, mas criará o habito na população de se preparar para o mercado de trabalho e sobre tudo para os quadros funcionais do município. Terão a certeza de que não adianta puxar saco de político porque o emprego só virá pelo esforço próprio e dedicação ao estudo.

    Em algum momento deveremos romper com esse estado de coisa, que seja agora, então. Pois mais tarde será mais traumático ainda.

    Essa é minha opinião, gostem ou não, mas devemos ser duros agora.

    Abs!

    ResponderExcluir
  2. Prezado Prof. Fabiano:

    Os vossos questionamentos são muito oportunos: Sabemos que depois das decisões tomadas pela justiça na última semana, que acertaram em cheio o estigma de inatacável do Prefeito de nossa cidade, que a oposição poderá vir a tomar uma das duas vertentes: Ou para de vez com as acusações, muitas delas infundadas com o propósito de permitir que a cidade volte a ser governável, ou continua do mesmo jeito que estava, e Executivo e Legislativo ficam “travados”, transformando a ansiedade da população em ira.

    Iniciei meu comentário com a colocação acima, como prova de que as minhas posições como cidadão estão acima das minhas convicções políticas. Diante do quadro exposto, os serviços públicos da cidade podem vir a ficar paralisados pela absoluta falta de pessoal, por pura ignorância, embora eu, que sequer conheça o nosso Prefeito pessoalmente, acredito que ele não promoverá uma “caça às bruxas”, demitindo os funcionários, por ter sido penalizado. Não faz parte do seu perfil, da sua história na vida pública.

    Particularmente sou contra o quadro de servidores públicos fora das áreas essenciais, tais como: Saúde, Educação e Segurança Pública. O próprio concurso público da Câmara Municipal eu considero um equívoco. A máquina administrativa precisa operar nos moldes das empresas privadas, com quadro de pessoal reduzido e qualificado. Entendo que serviço público não é constituído para dar lucro, mas também não pode dar prejuízo. Observo ainda que o quadro de funcionários terceirizados da Prefeitura, em muitos setores, está acima daquilo que é necessário, aliando paternalismo a “cabide de empregos”. Muitos sequer trabalham mais de 4 horas por dia.

    Os serviços públicos precisam adotar regras rígidas para contratação de pessoal terceirizado, principalmente no que diz respeito ao cumprimento da carga horária e das atividades fins, para quais foram contratados, com o firme propósito de evitar possíveis desvios, bem como trabalhar na orientação dos funcionários para contenção de despesas, principalmente material burocrático e de serviços como luz, água, telefonia e internet. Falta gestão, gerenciamento qualificado!

    Continua...

    ResponderExcluir
  3. ... continuação
    O Executivo precisa compreender que não existe mais espaço em nossa cidade, para que a Prefeitura seja o principal empregador dos nossos citadinos, é preciso permitir e facilitar a instalação de novas unidades geradoras de empregos em nossa cidade, constituir de fato e de direito um Distrito Industrial, se necessário, até mesmo com renúncia fiscal. Se por um lado a cidade deixa de receber da atividade principal das empresas, aumenta significativamente suas arrecadações de ICMS com o aumento do poder aquisitivo dos contribuintes, e assim sucessivamente, são mais recursos ficando na cidade.

    Embora eu não exerça as minhas atividades na área da educação, eu já havia apontado anteriormente que pelo menos pelos próximos 3 anos, não seremos surpreendidos por alguma resposta diferente daquela que ocorreu no concurso público da Câmara Municipal. O “boom” positivo na área da educação dos nossos jovens iniciou a pouco mais de 4 anos, quando nossos jovens, na sua grande maioria, começou a ter acesso às informações em tempo real, em um veículo novo, fora da mídia perversa televisiva, que ainda hoje, apresenta apenas o glamour como solução de vida.

    Tal fenômeno não se deu por nenhuma iniciativa política, e sim pela necessidade da vida moderna. O mundo hoje gira em torno da informática, da internet, da informação imediata, e parafraseando o Presidente Norte Americano, muitos de nossos viram que era possível e fizeram uma revolução pessoal. Sim, eu posso! E foram à luta, contra todas as perspectivas contrárias. Por mais incrível que possa parecer, hoje é mais fácil encontrar os nossos jovens se preparando para o futuro, do que “vadiando” pelas ruas da cidade.

    Que os políticos que passaram pela nossa cidade têm alguma parcela de culpa pelo nosso presente, não há sombra de dúvidas, mas eles também não erraram sozinhos. A cidade pensava pequeno. A grande maioria dos moradores estava acostumada com o marasmo. Aquilo era bom, era o suficiente. Para muitos, saber ler, escrever e fazer contas era o bastante! Uma linha de raciocínio onde jamais poderemos culpar nossas escolas, nossos educadores, ou a capacidade intelectual dos jovens daquela época. Não haviam legislações específicas que obrigassem os pais a manter seus filhos “matriculados” nas escolas, como também não haviam leis que impedissem o trabalho infantil.

    O futuro é agora! Cabe a nós, que temos um pouquinho mais de visão do futuro, fazer com que nossos repitam as 3 palavras mágicas: SIM, EU POSSO!

    Um forte abraço,
    SÉRGIO PRATA.’.

    ResponderExcluir
  4. VEREADOR TONI COELHOdomingo, 17 julho, 2011

    Caro professor Fabiano,concordo com o comentário do "VINGADOR".Aqueles que querem que a população esteja sempre na dependência de um emprego público, onde o beneficiado entre "pela janela",através das mãos de politicos ,são os que tem maior interesse nesse tipo de preocupação de todos nós.Queremos que a constituição seja respeitada,mas por outro lado queremos que todos que entrem na Prefeitura através do concurso sejam de Itaguai.Como resolver o problema? Não sei,sinceramente não sei,mas entendo que a solução deve ser cumprir a lei.Hoje não temos concurso desde 2005,no entanto a metade dos funcionários da Prefeitura são "de fora" e o que é pior mais da metade dos funcionários contratados são de fora da Cidade.E ai? qual a garantia que os moradores de Itaguai tiveram mesmo sem concurso?E o que é ainda pior, não existe nenhuma garantia de qualidade destes funcionários contratados "de Fora",garantia que um concurso público sério pode dar,pois os melhores por méritos entrariam.De qualquer forma sou a favor do concurso e Parabenizo a iniciativa do debate.Obs: temos hoje na Prefeitura quase cinco mil funcionários contratados e o concurso só vai atender menos da metade das vagas de contratados.pensem profundamente nisso....

    ResponderExcluir
  5. meu caros amigo esse assunto e muito profundo e tem muitos fatores:
    concordo ate certo ponto com o vingador.
    1 - essa pratica de cabe de empreguismo nao e de hoje e nao e de itaguai e uma politica que mesmo com o concurso nao vai acabar.
    2 - a educaçao do nosso municipio e fraca isso é demostrado no concurso da camara, pois nao adianta a prefeitura pintar o colegio e dizer que e excelência e pagar um salario que mal dar para o professor comer quanto mais e capacitar para dar uma boa aula.

    3 a falta de frente de trabalho no nosso municipio fez com que a prefeitura fosse o maior empregador onde o empregado na tem dinheiro a nada um fim de um contrato que e uma vergonha.

    4 a mentalidade do comodismo e da falta de oportunidades levou a populaçao viver essa vida.

    sou concursado nascido aqui...
    sei da dificuldades de varios colegas contratados quanto a concurso pois sempre digo a eles estudem pois isso nao e vida...

    acho que a melhor alternativa seria os cursos preparatorios feito pelo poder publico pois os particulares esta alem das capacidades financeira da nossa populaçao. ai concerteza nao teremos demissao em massa.
    mais sim fucionarios efetivo

    ResponderExcluir
  6. Nossos governantes precisam compreender que a cidade mudou e a tendência é continuar mudando. Deixamos de viver em uma cidade exclusivamente rural para viver em uma cidade urbana, com as características dos grandes bairros das capitais. Nos transformamos em uma cidade dormitório, por falta de interesse dos nossos políticos, onde o único grande empregador é a Prefeitura.

    A cidade precisa aproveitar as oportunidades que estão surgindo, como a duplicação da Rio-Santos, a construção do Anel Rodoviário, o interesse da PETROBRAS em trazer para cá a base do pé-sal e ainda as instalações portuárias. Onde já se viu uma cidade como a nossa, que não possui uma industria de pesca, e nem mesmo um entreposto de pesca!

    Precisamos aproveitar o crescimento. Estamos na vanguarda da história. Enquanto as cidades brasileiras de regiões metropolitanas apresentaram quedas em arrecadação em torno de 18%, Itaguaí teve, no ano passado, uma arrecadação idêntica a segunda maior cidade do estado de Minas Gerais, isto, sem ter um complexo industrial e sem incentivo para a instalação de grandes redes do varejo.

    A característica portuária de importação pode vir a incentivar a instalação de montadoras diversas, reduzindo custos de produção, bem como estabelecer uma área específica para instalação de industrias de reciclagem, de transformação e de acessórios automotivos e eletro-eletrônicos, transformando a cidade em auto-suficiente em empregabilidade.

    Precisamos melhorar as malhas viárias internas, urbanizar as áreas rurais desativadas e aumentar a oferta de transportes públicos. Precisamos ainda incentivar a instalação de unidades de ensino secundário profissionalizante e superior em nossa cidade, para que os nossos jovens não precisem mais se deslocar para a capital.

    É sabido que as empresas priorizam as contratações de moradores das proximidades, reduzindo custos e garantindo a acessibilidade. Quem estiver bem posicionado na iniciativa privada, não vai querer se aventurar em concurso público, que embora tenha estabilidade, paga bem menos do que a iniciativa privada para ficar exposto às oscilações políticas.

    Para quem está de fora, é muito “romântico” o “canto da sereia” do serviço público. Quem já esteve ou está nele, vive o pesadelo do salário regrado e acomodado pela estabilidade, evita lutar por melhorias salariais par não ficar exposto politicamente. A grande maioria dos políticos vê no serviço público, não a qualidade no atendimento ao público, mas sim a subserviência do servidor.

    Os aprovados nos concursos públicos de nossa cidade, que não são moradores daqui, em geral são “concurseiros profissionais”, e em pouco tempo pedem exoneração, para ocupar outros cargos mais vantajosos, onde também foram aprovados. Não é a lei do mais forte ou do mais inteligente. É a lei do mais preparado!

    Do jeito que está, nunca teremos os melhores e os mais qualificados trabalhando aqui. A cidade vai ficar envelhecida e sem qualificação profissional. Os nossos jovens que se qualificam, procuram mercados de trabalho com mais ofertas e salários mais vantajosos. Os poucos profissionais qualificados que retornam para Itaguaí somente o fazem depois da aposentadoria.

    Digo isto, não por me considerar um profissional altamente qualificado, mas sou um dos poucos que voltou depois da aposentadoria.

    ResponderExcluir
  7. Não nas pessoas( claro que nem todas),mais sim em alguns politícos que não querem ver seus cabos eleitorais ""emancipados""".É melhor te-los sempre embaixo dos pés!!

    ResponderExcluir
  8. BOM DIA A TODOS, VENHO INFORMAR E PEDIR PARA VISITAREM O LINK:
    http://itaguaicontraocrime.blogspot.com
    VAMOS ABORDAR UM POUCO SOBRE A VIOLÊNCIA E O TRAFICO QUE SE EXPANDE EM NOSSA CIDADE. NÓS NÃO MERECEMOS ISSO. DENUNCIEM.
    GRATO PELA ATENÇÃO DE TODOS.

    ResponderExcluir
  9. A grande preocupação em relação ao quadro terceirizado se dá exatamente a partir de uma postagem do Vereador Carlos Kifer em 22/04/11, onde ele afirma que o Executivo sequer superou 46% do orçamento em folha de pagamento.

    É sabido que existe a possibilidade de mascarar a contratação de terceirizados a partir da contratação empresas de prestação de serviços. Por exemplo: Contrata-se uma empresa para coleta de lixo e resíduos, e não a mão-de-obra.

    Havemos de reconhecer a preocupação do Vereador em relação a possibilidade de fisiologismo, mas precisamos considerar que a máquina administrativa está “inchada”, e não haverá de ser concurso público, “a salvação da lavoura”.

    É preciso diminuir o número de pessoal e saber administrá-los, sejam funcionários terceirizados ou não. Conheço casos de terceirizados que não cumprem 4 horas de trabalho diários, e conheço pelo menos um caso onde o funcionário exerce suas funções sem sair de casa, como também conheço casos de “servidores públicos” que sequer sabem onde estão lotados. Simplesmente estão à disposição! De quem? De que?

    ResponderExcluir
  10. AS PESSOAS DE ITAGUAÍ INFELIZMENTE ADQUIRIRAM A CULTURA DE NÃO ACREDITAR EM SI MESMAS ... foram aos de educação ruim e uma dependência extrema de politicagem ...

    ResponderExcluir
  11. Achei interessantes as opiniões aqui postadas, mas por ter uma outra, decidi enviá-la. Provavelmente serei acusado de reducionismo, o que assumo, dado o fato de que não consigo ver de outra forma a realidade que nos cerca quando sei que tudo (ou quase tudo) em nossa sociedade gira em torno da classe dominante, na qual se inclui, sobretudo, os políticos profissionais.

    Valho-me, além de uma e outra literaturas marxistas, de um ditado popular que diz: "em terra de cegos, quem tem um olho é rei". E quem tem um olho (por que não dizer, diversos) - a classe dominante - domina. Não é à toa que a mesma se reserve, para si somente, o direito de freqüentar as melhores academias de excelência educacional reconhecida. Quem tem conhecimento, ainda que seja pouco, domina sobre uma multidão de ignorantes, ou leigos, ou alienados políticos.

    Respondendo aos questionamentos, opino que: a maioria das pessoas não passam porque "alguns 'políticos' [senão todos] não tem interesse na aprovação das pessoas de Itaguaí". Entendo que esta questão está na base das outras alternativas sugeridas na 1ª pergunta.

    É por causa da classe política que a maioria não estuda. Por quê? Creio que, uma possível resposta se deva à falta de estímulos, que permeou a vida estudantil dessas pessoas, para adquirir conhecimentos. Como acontece hoje em dia, provalvemente o atual sistema acostumou tais pessoas a estudar apenas para tirar boa nota e assim pegar seu diploma ou certificado. Talvez, isto se deva às aulas de professores que se tornaram alienados políticos por receberem um salário de fome que mal dá para que eles possam comprar livros e atualizarem seu conhecimento e repassá-los aos alunos.

    É por causa da classe política que a maioria não tem interesse e isto pode ser uma conseqüência do que eu disse sobre as aulas desestimulantes que as pessoas tiveram ou, talvez, pelo baixíssimo salário a ser pago para os funcionários concursados. Poucos estudariam para um concurso sabendo que vai ganhar mal.

    É por causa da classe política que a maioria pode querer, mas não tem capacidade intelectual para isto, porque não tiveram uma base educacional forte, livre das ingerências dos Governos Federal, Estadual e Municipal, os quais agem delimitando a atuação dos profissionais da educação, ora pautando a disseminação do "saber" por cronogramas, ora estabelecendo para os gestores escolares a incumbência da avaliação, dando a eles o direito de aprovar quaisquer alunos que foram reprovados por suas baixas notas e deficiências no rendimento escolar. Além do mais, alunos de escolas públicas contam com raríssimos professores que acreditam no seu potencial para chegar a algum lugar. Em outras palavras, poucos são os professores que fazem seus alunos acreditarem em si mesmos. E estes professores aprenderam e repetem isto ou porque conhecem o sistema perverso e não conseguem enxergar uma luz no fim do túnel, ou porque receberam isto de outros e não se vêem vcomo agentes capazes de modificar o quadro atual.

    Quanto à segunda pergunta: já respondi. A classe política é culpada na medida em que não só os pais dos alunos foram e são alienados (pela educação que herdaram, fruto da má fé e da má gestão dos políticos que foram responsáveis por ela) como os próprios estudantes, os quais são desestimulados a continuarem assim. Se os políticos são culpados, logo escolas municipais e estaduais são as que sofrem (não digo escolas federais, porque são as únicas publicas que gozam de reputação como centros de excelência). Não vejo os pais dos alunos como culpados, vejo-os como vítimas do sistema. Vítimas estas que, além de ingênuas, foram doutrinadas a não pensar nos problemas políticos que as cercam.

    Quanto à solução, a curto prazo não vejo nenhuma, a não ser a conscientização política.

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item