Liberdade & Cidadania

Em palestras que realizo sobre cidadania, seja em empresas, ongs ou ings – organizações ou indivíduos não-governamentais – costumo lançar u...

Em palestras que realizo sobre cidadania, seja em empresas, ongs ou ings – organizações ou indivíduos não-governamentais – costumo lançar um desafio sobre a reflexão conceitual acerca da liberdade e dos demais valores da tradição ocidental: a lei enquanto honra ou respeito a contrato; a vida enquanto segurança ou garantia de vida; e a própria liberdade enquanto usufruto da propriedade. E sempre provoco alguém para uma missão quase impossível: tente definir com consistência quaisquer desses valores sem se utilizar de pelo menos um dos demais.

Como pensar a verdadeira liberdade sem pensar a lei como garantia do estado para que a liberdade de um cidadão não venha a limitar a liberdade de outro? Como pensar a lei sem a urgente exigência de seu cumprimento? Como conceber uma genuína garantia de liberdade, enfim, sem a garantia da propriedade mais básica de nosso próprio corpo, força de trabalho e criação intelectual?

Mas no baixo nível da cultura política brasileira não corrompemos apenas contratos e negócios. Corrompemos acima de tudo valores. Como a cidadania mal entendida como titulação de direitos ilimitados sem a obrigatória contrapartida de deveres políticos. A começar pelo desentendimento da lei como parâmetro da legitimidade da própria liberdade, uma vez que esta não pode ser entendida como algo contrário àquela. Pois toda liberdade é lícita, como direito fundamental do cidadão, até o momento em que não venha constranger ou limitar a liberdade de outro cidadão. Mas, na miséria de nossa cultura política, é comum um abuso sem limites de legisladores e governantes legislando sobre a limitação da liberdade dos governados e, pelo nosso crônico déficit de cidadania, nós mesmos confundimos o valor da liberdade com o da licenciosidade, como o direito de fazer aquilo que nos dá na veneta, tomando a liberdade como valor antagônico à lei.

Quando a boa lei é a que garante a liberdade, tratando o cidadão como senhor de suas escolhas, responsável pleno pelos seus atos, na dignidade com que deve ser tratado pelos agentes públicos, como cidadão adulto e livre. É, pois, fundamental se diferenciar o conceito ideal de liberty, que são essas liberdades listadas no artigo 5º da Constituição, com a liberdade essencial, e que dá sentido e concretude ao conceito de cidadania, que é a liberdade do freedom, enquanto domínio oposto ao do kingdom. Liberdade política de limitar sobretudo o poder fiscal dos governantes, de um cidadão livre para se exprimir, celebrar suas crenças, se fazer representar, produzir, empreender e se apropriar do lucro do seu trabalho.

Para que, para além de contribuinte, seja um pagador de impostos consciente, ao mesmo tempo em que exerce controle social sobre os governantes. Vale a pena refletir sobre essa questão do freedom como essência do liberty que foi tão bem colocado na democracia do estado moderno inglês a partir do iluminismo do século 18 e ainda por aportar por nossas costas.

Por: Jorge Maranhão
Em: 29/3/2011

http://www.avozdocidadao.com.br/detailArtigo.asp?ID=575&SM=6%2321&pagina=&por=Jorge%20Maranh%E3o

Postar um comentário

  1. ORAÇÃO A SÃO CIPRIANO: para amansar e trazer de volta





    Pelos poderes de SÃO CIPRIANO e das três malhas que vigiam SÃO CIPRIANO, (Fulano) virá agora e imediatamente

    atrás de mim. (Fulano)vais vir de rastos, apaixonado, cheio de amor, de tesão por mim, vais voltar para mim e pedires-me perdão

    (ex: por tudo o que me fizeste passar, por me teres mentido...) e para (fazer o seu pedido – ex.: me pedir em noivado, em casamento)

    o mais rápido possível.

    SÃO CIPRIANO, fazei com que (Fulano) esqueça e deixe de vez qualquer outra mulher que possa estar em seu pensamento,

    só a mim amando. SÃO CIPRIANO afastai de (fulano) qualquer mulher, que ele me procure a todo momento, hoje e agora,

    desejando estar ao meu lado, que ele tenha a certeza de que sou a única mulher da vida dele.

    São Cipriano, fazei com que (fulano)não possa viver sem mim, que não possa sossegar nem descansar, em parte alguma consiga

    estar, sem que tenha sempre a minha imagem em seu pensamento, e em seu coração, em todos os momentos.

    Que ao deitar, comigo tenha de sonhar, que ao acordar, imediatamente em mim tenha de pensar, só a mim possa desejar,

    e apenas comigo queira estar.

    São Cipriano, que (Fulano) pense em mim em todos os momentos de sua vida. Que (fulano) queira me abraçar, me beijar,

    cuidar de mim, me proteger, me amar todos os minutos, todos os segundos, de todos os dias de sua vida.

    Que me ame a cada dia mais e que sinta prazer somente comigo.

    SÃO CIPRIANO faça (Fulano) sentir por mim amor, carinho e desejo, como nunca sentiu por nenhuma outra mulher e nunca sentirá.

    Que tenha prazer apenas comigo, que tenha tesão somente por mim e que seu corpo só a mim pertença,

    que só tenha paz e descanso se estiver comigo.

    Agradeço-te SÃO CIPRIANO por trabalhares a meu favor e divulgarei teu nome em troca de amansar (Fulano)

    e trazê-lo apaixonado, dedicado, fiel e cheio de amor e desejo aos meus braços. Peço-te meu glorioso São Cipriano para que (Fulano)

    volte para mim, para o nosso namoro/ nosso amor/ nosso casamento, o mais breve possível.

    Peço isso do fundo do meu coração, aos poderes das três malhas pretas que vigiam SÃO CIPRIANO.



    Leia esta oração por três dias seguidos.

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item