Artigo: Cidadãos ou gado?

Texto publicado no Blog Política de Itaguaí em 12 de agosto de 2009. Por Tiago Franz* Na coluna de ontem, aqui no Perspectiva, o cientis...

Texto publicado no Blog Política de Itaguaí em 12 de agosto de 2009.

Por Tiago Franz*

Na coluna de ontem, aqui no Perspectiva, o cientista político Matheus Passos comentou a importância da participação popular na política. Infelizmente, ele está certo em sua constatação: no Brasil, a participação popular é quase que limitada ao voto e à espera pelas próximas eleições. Por um viés diferente, amplio a discussão iniciada por meu colega colunista.

A filiação partidária é uma possibilidade aberta à livre escolha dos cidadãos brasileiros. No entanto, não se escolhe um partido como se escolhe uma camisa. Testemunhei recentemente dois maus exemplos de envolvimento partidário. Muito aquém de ser participação política, o que vi está mais para “arrebanhamento de gente”. Nos dois casos, certo partido político, em dois municípios catarinenses, usou métodos no mínimo curiosos para filiar jovens. É tão cômico quanto lamentável.

Vamos ao primeiro caso. Perguntei a um colega de universidade, membro recém-eleito do Centro Acadêmico, se tinha filiação partidária. Respondeu-me que sim, e acrescentou que estava encaminhando sua desfiliação. Filiou-se para ajudar um amigo em uma gincana. Isso mesmo. Uma gincana!!! Seu amigo integrava a juventude do tal partido, que propôs a tal gincana. O objetivo da “brincadeira” era filiar jovens ao partido. Quem trouxesse mais cabeças para o rebanho vencia. Pergunto-me qual seria o prêmio reservado ao vencedor. Passado algum tempo, o jovem líder estudantil não encontrou identificação alguma e resolveu deixar o partido.

O segundo caso foi muito pior. Na mesma semana, encontrei uma ex-colega, que começou o ano trabalhando em uma Prefeitura, assim como o Prefeito, eleito no ano passado. Satisfeita com o emprego, disse ter se filiado ao partido do Prefeito. Contou ainda que seu irmão também entrou para o partido. O motivo? Pasmem. Participar de um campeonato de futebol. Apenas membros do partido poderiam jogar. O prêmio era bastante sedutor. Toda contente, minha ex-colega disse que o irmão ganhou uma “grana legal”. Seu time venceu.

Percebam que, nos dois casos, o motivo da filiação partidária nada tinha a ver com princípios e valores políticos, engajamento ou ideologia. Apenas conveniências pessoais - relações de amizade, emprego e, quem diria, futebol. E dizer que muitos dos nossos representantes surgiram desse vício. E dizer que muitos jovens se deixam levar por tamanha miséria.
Ingressar em um partido político é direito do cidadão. É também condição para ser candidato a um cargo no legislativo ou no executivo. Mas não é a única forma de participar da política. Participação popular só é possível quando as pessoas exercem plenamente a cidadania.

Cidadão é quem, antes de tudo, tem consciência de que a garantia de seus direitos depende da sua vigilância, do seu senso crítico, da sua seletividade e do não-conformismo. Apenas votar não é o bastante. Quem não é cidadão por inteiro, ou é gado, massa de manobra, ou é cúmplice da sem-vergonhice, do clientelismo.

*Tiago Franz é colunista do Perspectiva Política aos domingos e editor do blog NeoIluminismo

Postar um comentário

  1. O como eu sempre digo: o nosso maior problema não são os políticos, e sim os eleitores.

    ResponderExcluir
  2. meu cara Tiago franz, não sei a sua idade, mas vejo que vives a doce ilusão da juventude!
    Em pensar que com este sistema político brasileiro, alguem muda alguma ciosa filiando-se à partidos políticos, pode ser que com uma reforma política profunda, vislumbre-se um raio de luz no fim do tunel, Mas sabemos também que eles não querem essa reforma!!!!

    ResponderExcluir
  3. "A sociedade não é mais do que o desenvolvimento da família: se o homem sai da família corrupto, corrupto entrará na sociedade." (Henri Lacordaire)

    ResponderExcluir
  4. O Abelardinho deveria ler esse textto e fazer algum comentário, quem sabe tentar explicar porque traiu o PT se ele é um homem do povo? porque foi jogar no time do PMDB e ficar na mão da família ROCHA? responde essa Abelardinho!!!!

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item