A importância da política

Política hoje, para grande parte das pessoas, é sinônimo de corrupção, de mamar nas tetas do governo, de gente suja e baixa, que faz qualq...

Política hoje, para grande parte das pessoas, é sinônimo de corrupção, de mamar nas tetas do governo, de gente suja e baixa, que faz qualquer coisa para se dar bem. Isso não é política, isso é a desvirtuação da política que alguns fazem.

Essa visão não surgiu do nada. Tampouco veio de fatos concretos na política brasileira – porque, convenhamos, corrupção e sacanagem não são novidade nas nossas Casas mais altas. Esse asco à política veio de uma campanha ininterrupta dos meios de comunicação tentando enfiar na cabeça das pessoas que política é uma coisa ruim.

Assim, a maioria não quer nem ouvir falar. Vota por obrigação – e como tornar o voto facultativo com essa campanha toda? -, sequer pensa na importância do número que digita na urna. Não se dá conta que a única forma de reverter essas coisas feias que acontecem e que fazem com que o eleitor tenha nojo dos políticos é justamente pensando bastante a respeito. Discutindo. Votando certo, consciente. Participando nas mais diversas instâncias.

O cidadão não percebe que virar a cara perpetua a safadeza. Que a ignorância prejudica a democracia. Que é discutindo política que se faz bem política, que é falando a respeito que torna a coisa melhor e cada dia mais limpa, mais correta e mais interessante.

E que a política é importante não porque elegemos quem manda nesse conceito abstrato de Nação. Mas porque elegemos quem gerencia a nossa concreta vida cotidiana, através de políticas públicas que chegam diretamente a cada cidadão.

Por Cristina P. Rodrigues. Cris.

Postar um comentário

  1. "...isso é a desvirtuação da política que alguns fazem...."

    Alguns? Para mim, mais de 50% é maioria, não é alguns. Não é preciso ser muito inteligente para imaginar que as falcatruas denunciadas pela mídia ou mesmo as que chegam a ter punição não devem passar de uns 2% do que é feito.

    Não podemos confundir regra com exceção. Todos nós gostaríamos que político íntegro fosse regra, mas não é. É exceção.

    Reflexões:

    -Alguém aqui acha que um brasileiro consegue passar 30 anos na política, no meio de cargos, negociatas, etc, sem cometer nenhum ato por baixo dos panos que desabone a conduta?

    -Será que a gente precisa mesmo continuar com essa hipocrisia de que são apenas "algumas" laranjas podres no meio de um saco bom, quando todo mundo no fundo sabe que a maioria das laranjas são podres, e que todas vez que trocamos elas por novas, elas tornam a apodrecer??


    Acho que precisamos todos ser mais sinceros. Só consegue resolver um problema quem sabe identificá-lo corretamente.

    Além de brasileiros corruptos vamos querer ser taxados também como burros??

    ResponderExcluir

emo-but-icon

Curta nossa Página

Semana

Recentes

Comentários

Visualizações do Blog

Twitter

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
item